topo
Atibaia/SP
RSS  Twitter  Facebook 

Grupo JC
Acesse também:
Você está aqui: HomeNotícias › Notícia completa
Aumentar fonte Diminuir fonte Imprimir
0
CompartilharTwitter Facebook Orkut
01/08/2017 às 17:09

Exposição itinerante que resgata a cultura caipira abre em Atibaia

Objetivo é disseminar o conhecimento sobre a identidade e o repertório caipira, valorizando a tradição local e preservando a memória cultural

 


Atibaia recebe a exposição itinerante Porta, Porteira e Portão: Modos de ‘Falarrr’ e Costumes do ‘Interiorrr’. A mostra abre no domingo, 30, e pode ser vista até 1º de setembro, no Centro de Convenções Victor Brecheret. A iniciativa, viabilizada pelo edital de difusão de acervos museológicos do Programa de Ação Cultural (ProAC), do Governo do Estado de São Paulo, e o apoio do Sistema Estadual de Museus (Sisem-SP) e da Prefeitura de Atibaia. A entrada é gratuita.


Cateretês, toadas, guarânias, cururus e outros ritmos caipiras embalam a abertura da mostra, das 19h30 às 20h30, pelo Grupo Raízes de Atibaia, conjunto mantido pela Secretaria de Cultura e Eventos com o intuito de promover o resgate e valorização da cultura caipira, por meio do projeto Educando com Música e Cidadania. Sob o comando do maestro Rafael Cardoso, o grupo é coordenado pela violeira Ruth Rubbo.


Versos musicais, simpatias, superstições, contos e causos estão entre os elementos que compõem a cultura caipira no país. Todos presentes na exposição em painéis ou objetos. “Celebramos o caipira como sinônimo de um modo de vida”, diz o museólogo Rodrigo Santos, que fez a concepção museológica e também assina a curadoria da mostra, ao lado da historiadora Renata Gava. “A intenção é despertar a memória afetiva do visitante e que cada um reencontre o caipira dentro de si”, completa Renata, responsável ainda pela pesquisa de conteúdo.


Renata e Rodrigo incluíram expressões da tradição oral caipira, entre as quais de banda (de lado), enfezado (nervoso), estorvá (atrapalhar), fuá (encrenca), lonjura (distância), nóis fumo (nós fomos) e zóio (olhos). Uma tela em branco instiga: “quais expressões, simpatias e ditos populares você conhece?”. Nela, o visitante pode escrever o que vem à mente e, assim, contribuir para a ampliação desse dicionário caipira.


Painéis de madeiras dispostos em prateleiras abrigam objetos diversos. Uma instalação traz os clássicos monóculos fotográficos, em que as pessoas podem conferir imagens antigas sobre o estilo de vida no campo. “São símbolos referenciais do interior paulista com uma leitura contemporânea e que fizeram parte das rotinas de nossos pais e avós, ou até mesmo de nossas infâncias”, explica Renata Gava.


O museólogo Rodrigo Santos diz que a exposição também tem o objetivo de quebrar o estigma de que o caipira é um ser antiquado, de pouca instrução ou de costumes ultrapassados. “O caipira se transformou com o passar dos anos e ainda hoje faz parte da cultura nacional. Num país tão grande e plural como o Brasil, somos todos caipiras. O caipirês está em todas as regiões, cada uma com sua peculiaridade.”


Ainda para ampliar a interatividade, os curadores incentivam o público a produzir fotos para as redes sociais, utilizando a palavra-chave (ou hashtag) #SouCaipira. Além disso, a página Porta, Porteira e Portão, criada no Facebook, traz atualizações frequentes, textos, reportagens e dados adicionais sobre a cultura caipira. Os visitantes podem levar filipetas para a casa e as crianças que fizerem visitas em grupo, agendadas por escolas, recebem uma cartilha com caça-palavras, código secreto, jogo dos sete erros e desenhos para colorir.


De acordo com a Secretaria de Cultura e Eventos da Prefeitura da Estância de Atibaia, a cidade foi fundada no ano de 1665 e serviu de passagem para os bandeirantes que desbravaram o interior paulista e fundaram estados como Minas Gerais, Mato Grosso e Goiás. “Nossas raízes caipiras são intensas até hoje e nos orgulhamos disto. Embora tenhamos uma população muito grande, nossa Zona Rural é extensa e a economia ainda gira em torno da agricultura”, destaca a secretária, ao citar a produção de flores, frutas de caroço (pêssegos e ameixas) e o morango.


SERVIÇO – “Porta, Porteira e Portão: Modos de ‘Falarrr’ e Costumes do ‘Interiorrr’”.

Abertura: 30 de julho, às 18h30

Visitas: Até 1º de setembro, de segunda a sexta-feira, das 9h às 17h

Local: Centro de Convenções Victor Brecheret

Endereço: Avenida Lucas Nogueira Garcez, 511, Vila Thais, Atibaia

Entrada gratuita

Informações sobre visitas em grupo ou agendadas: (11) 4412-7153, 4412-7776 e museu@atibaia.sp.gov.br

Prefeitura da Estância de Atibaia
Seja o primeiro a comentar!
Veja mais sobre Cultura [+ notícias]
Publicidade
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Rodapé